"Ando devagar porque já tive pressa..."

"Ando devagar porque já tive pressa..."
"Ando devagar porque já tive pressa..."

30/12/2011

Sobre o Meu Amor Platônico

Tua boca me deixa sedenta dos teus olhos castanhos nos meus
Teus olhos me deixam confusa, muitas vezes até muda com o que Deus te deu
Esta capacidade de inebriar sem o mínimo esforço que me faz desejar pular em teu pescoço
Procurando em tua boca matar minha sede que ela mesma desperta
Tuas mãos me fazem ouvir uma canção dedilhada com um jeito que é todo teu
Não. Ele também é meu, pois assim eu afirmo e digo ainda mais:
Desde que eu te vi passei a ser assim; boba declarada, tão apaixonada que te penso meu
E olha que nem começamos nem haveremos de ser mais que isso
E hoje em dia nem ligo, pois te amo e nesse amor acredito
Se me amas também, nem preciso, a mim já me basta todo o amor que sinto
Platônico, bem sei. Mas amor verdadeiro que eu vivo e desejo até um dia ter fim
Mas será que é assim? Dizem que amor não acaba e se não for verdadeiro eu direi mesmo assim
Te amo e te quero, te sinto por perto, mesmo longe de ti

Lola (26/12/11)

21/12/2011

Que Venha o Natal

Que venha o Natal
Trazendo consigo a esperança às vezes esquecida
Suas luzes e cores enfeitem meus dias e tragam flores matinais
Que a árvore enfeitada me transmita a paz

E que eu cada vez mais saiba compartilhar tudo isso
Que nos venha um Natal que seja bem bonito
E o mundo inteirinho se cubra da luz que emana do natal que desejo
E que abraços e beijos completem o cenário

O afeto perdure e adentre o Ano Novo
Que passemos a desejar tudo isso de novo
Então haveremos de existir pela paz, pelo beijo e abraço
Pelos laços que não serão desfeitos jamais

É esse o Natal que eu quero pra mim
E ele só será assim se também for pra você
E você o desejar do íntimo do seu ser
Que ele seja pra todos e sejamos felizes

Felizes como a noite estrelada do Menino Jesus
Que esqueçamos a cruz e foquemos a manjedoura
Pois o nascimento reforça certezas
Então deixaremos o que é bom sobre a mesa

E em baixo do tapete as angústias dormirão
Um sono perene, eterno, pra sempre
Viveremos então, de um jeito diferente
E todos os dias serão de Natal

Lola (12/12/11)